Casa das Histórias

A Casa das Histórias Paula Rego, em Cascais, é um projeto do arquiteto Eduardo Souto de Moura. Distingue-se pelas duas estruturas piramidais e pelo material usado, betão pigmentado a vermelho.

A Casa das Histórias é um espaço de exposição dedicado à pintora contemporânea Paula Rego. Localiza-se na zona central de Cascais, tendo sido inaugurado em 2009. O arquiteto Eduardo Souto de Moura é o autor do projeto, a convite da própria artista. A obra foi galardoada com o Prémio Secil de Arquitetura 2010.

“Tive a sorte de poder escolher o terreno, o que aumentou a minha responsabilidade depois da pintora Paula Rego me ter escolhido como projetista.

O terreno era um bosque murado com um vazio no meio (…). Com o levantamento das árvores, e sobretudo das copas, desenvolvi um conjunto de volumes com alturas diferentes, para responder à pluralidade do programa.

A disposição das caixas funciona assim como um positivo mineral, do negativo que sobra do perímetro das copas.”

Eduardo Souto de Moura in Memória Descritiva

Casa das Histórias

Casa das Histórias

Casa das Histórias

Casa das Histórias

Casa das Histórias

Arquitetura

Volumetricamente, o edifício é composto por diferentes corpos, de alturas distintas, que correspondem às várias funcionalidades do programa. Alberga, assim, 750 m2 de áreas de exposição, uma loja, uma cafetaria com esplanada aberta para o jardim, um auditório com 195 lugares, para além das áreas técnicas e de serviço.

Quando se chega ao museu, no eixo da entrada, destacam-se duas grandes pirâmides, que são a livraria e o café do museu. O espaço expositivo e áreas complementares, ocupam um volume paralelepipédico, cuja horizontalidade contrabalança a presença marcante das duas torres.

As salas expositivas são sequenciais, dispostas em torno de um volume central mais elevado, que corresponde à sala de exposições temporárias. Foi, igualmente, uma preocupação de Eduardo Souto de Moura que cada sala de exposições tivesse sempre uma abertura para o exterior.

Também a materialidade exterior usada, betão pigmentado vermelho, que recobre todo o conjunto é marcante. Funciona como contraponto ao verde do bosque envolvente. A cor ao longo do tempo descolorirá, adquirindo, assim, um tom mais rosado.

Por outro lado, no interior, foram utilizados tons neutros. Branco em paredes e pavimento em mármore azulino de Cascais. Uma atitude que pretende não chocar com as obras expostas.

Por último, é de referir que a escala do edifício integra-se na envolvente, bem como, no contexto das construções do local. Há, assim, uma proximidade à tipologia habitacional. Este carácter é conseguido por aparentemente o edifício ser de piso único, uma vez que alguns dos espaços de apoio ao museu funcionam na cave. A implantação no meio do terreno, rodeado de muros e afastado da estrada, reforça, igualmente, este carácter de “casa”.

Faz, portanto, todo o sentido chamar a este museu “Casa das Histórias”.

error: