Lisboa Pombalina

O urbanismo da 2ª metade do século XVIII é marcado pela reconstrução de Lisboa após o terramoto. O plano, de autoria de Eugénio dos Santos, tem um traçado regular com regras de composição bem definidas.

Capa: Plano de reconstrução de Lisboa após o Terramoto de 1755. Litografia do Museu de Lisboa.

Terramoto de 1755

A segunda metade do século XVIII é marcada pela reconstrução de Lisboa após o terramoto de 1755 que destruiu parte da capital. Como consequência do terramoto deflagrou, por toda a cidade, um violento incêndio que agravou os danos causados. A zona mais afetada foi a Baixa, que possuía uma elevada densidade populacional. Morreram assim cerca de dez mil pessoas nesta catástrofe. Ao terramoto seguiram-se assaltos e pilhagens que aumentaram o pânico dos habitantes.

Gravura de Lisboa que ilustra o terramoto de 1755 – Wikipedia

Planta de Lisboa antes do TerramotoPlanta de Lisboa antes do terramoto – Museu de Lisboa

Plano de reconstrução pombalino

O marquês de Pombal assume então o comando da reconstrução de Lisboa, encarregando Manuel da Maia, engenheiro-mor do reino, de elaborar um plano para a reconstrução da capital.

Manuel da Maia elabora então um relatório – Dissertação (1755-56) – onde apresenta cinco projetos de intervenção na cidade. Considera que a opção por um deles deveria ser feita com base na escolha do local de construção do palácio real. As propostas representam opções de projeto distintas. Vão desde a reconstrução de Lisboa com uma fisionomia próxima à que possuía antes do terramoto, passando por soluções de reconstrução assumindo novas regras de composição do espaço. Propõe igualmente uma atitude radical de construção de uma nova cidade junto a Belém. Segundo Manuel da Maia a reconstrução de Lisboa deveria ser feita num lugar livre, segundo um plano regular, com ruas largas e edifício uniformes.

A proposta escolhida segue as suas ideias, contudo a intervenção incidiria na área da Baixa. O plano de reconstrução é da autoria de Eugénio dos Santos, posteriormente continuado por Carlos Mardel.

Planta Topográfica de Lisboa – Museu de Lisboa

Traçado

Trata-se de um projeto com um traçado regular onde existe uma hierarquia de vias. São definidas três ruas principais que articulam duas praças, Terreiro do Paço e Rossio.

As edificações obedecem a um desenho tipo de fachada adaptado à rua onde se localizam. Ou seja, há uma regra de proporcionalidade entre a altura dos edifícios e a largura das ruas. A organização do interior dos edifícios é deixada ao gosto dos proprietários. Há assim uma preocupação com o conjunto, a malha urbana, e não com o objeto arquitetónico, o edifício.

Cartulário Pombalino – Desenho a tinta-da-china e aguarela assinado pelo Marquês de Pombal. Arquivo Municipal da CML

O desenho do Terreiro do Paço, da autoria de Carlos Mardel, denota um gosto barroco. É evidenciado pelo desenho da praça com arcarias regulares, onde existe um eixo de simetria definido pelo arco do triunfo e pela posição central da estátua de D. José I.

Terreiro do Paço

Por outro lado, o plano de reconstrução de Lisboa foi inovador porque introduziu um novo sistema de construção anti-sísmico: a chamada gaiola pombalina. Introduziu igualmente um sistema de saneamento de esgotos e de prevenção de risco de incêndios.

Por último, é importante salientar que a concretização deste projeto só foi possível graças à forma de ação do marquês de Pombal, que criou leis que definiam regras construtivas e dispositivos que controlavam a execução das obras de acordo com o projeto traçado.

 

Bibliografia

O Plano de Lisboa de 1758 – Walter Rossa – aula à Fac. Arquitetura da Univ. Técnica de Lisboa, 2010


_____
Artigo publicado em 2012.06.28 | Republicado em 2019.03.11